"Origem da Inexistência"

by Forgotten WInter

supported by
/
  • Includes unlimited streaming via the free Bandcamp app, plus high-quality download in MP3, FLAC and more.

     €7.99 EUR  or more

     

  • Compact Disc (CD)

    Limited Digipack first edition release with older mastering stage.

    Includes unlimited streaming of "Origem da Inexistência" via the free Bandcamp app, plus high-quality download in MP3, FLAC and more.
    ships out within 5 days

     €6.89 EUR or more

     

  • Full Digital Discography

    Get all 5 Forgotten Winter releases available on Bandcamp and save 30%.

    Includes unlimited streaming via the free Bandcamp app, plus high-quality downloads of Vinda, "Origem da Inexistência", "Dialéctica Transcendental", "Cold Mysteries and a Black River Lighted by Candles" Demo tape, and "Infinitas Estruturas do Desconhecimento" EP. , and , .

     €19.23 EUR or more (30% OFF)

     

1.
2.
3.
4.
5.
05:01
6.

about

"Origem da Inexistência" (2014)
(New digital release version)

Music & Lyrics by Forgotten Winter
(Old Version release :: Kristallblut Records (Germany, 2013))
Remastered at SlowDriver Studios (2014)
Artwork :: Marcelo Rodrigues

credits

released May 16, 2013

tags

license

all rights reserved
Track Name: Cosmos da Alma
O desenhar da realidade
Quando o tempo pára e a ilusão se desvanece com a perfeita cegueira.
Mergulhando no profundo inconsciente.

A majestosa obscuridade abre as portas do último ego.
Um candelabro de estrelas no oceano astral,
O desconhecido que se sente tão intimamente.

O pulsar primordial cuja carcere de carne não permitia experienciar,
O sopro do qual emana o existir e o inspirar que restitui a inexistência.
Purgando o veneno que corrompia a primogénita
Exilando a maldição que atormentava a quintessencia

A saudosa matéria que emano
No trono onde puramente crio
Suprimo galáxias que pintei com o meu sangue,
Cultivei as sementes da sabedoria esquecida no ser.

A fonte que brota com o cobrir do véu negro,
O manto no qual a vista se perdia nas ilusórias noites de verão,
Nuvens noctilúcias das quais o espirito é composto.
A minha alma é a essência do cosmos
Track Name: Vespertina Transmigração Astral
A minha tempestuosa mente
Emparedada numa masmorra de carne
Atribulada de cruzes cefálicas
Mascarada de um imperial raiar do sol.

Luz tão ofuscantemente negra como o ar que respiro,
Translucida corrupção a qual a maldição presta vassalagem.
Um estandarte de agonia submetido ao silêncio
Cinzento ardor que se faz sentir no mar infinito,
Uma brisa carrega o diluvio.

O êxtase irrompe do húmus do meu ser.
O sol põe-se por fim no horizonte da vida
Astro que agora cintila ferozmente.
Estrelas dançam no lápis-lazúli,

Na dicotomia do tempo
Onde a tarde é sempre noite e esta o amanhecer.
Um meteorito que cai sem fim,
No para sempre sideral
Minhas cinzas no veludo cósmico,
Meu espirito no alfa e omega intemporal do regressar.
Track Name: Chuva II (Nuvens Noctilúcias do Ser)
Sóbrio desta vida que me confunde,
No meu coração antigo sinto o pesar.
O meu espaço cada vez mais estreito,
A dor que se propaga,


O nada - oiço-o, no vazio que me consome.
As estrelas brilham como sempre,
E tudo se move indiferente a minha existência.


Sonhos agora ofuscados por uma névoa dilacerante
Minha vida frágil e cega,
A luz inalcançável.
Jaz no leito da tempestade,
Exorcizando o ser que teima em esperançar.


Manto cinzento de presença inigualável
Por mais que tudo contemple,
Este tudo não passa de nada.

Adormece o cintilar das estrelas
Tanto que lamentei e desejei o sentir e agora odeio-o.

Drena, sem fim, o conhecimento.
Chove e me reconheço nas gotas que se fundem na minha pele.
Track Name: Anoitecer dum Pulsar
O seu colapsar...
O abismo anti-narcisista de sombras iluminadas,
Altar psíquico onde se eclipsa o movimento.
O temor destroçado pelo sonho imortal,
O belo entre os espinhos fracturantes da matéria.

Reunindo cada partícula da supernova
Eliminando cada átomo formando o derradeiro buraco negro.
Isento do existir,
O nada é tudo neste vácuo.
O eterno retorno da folha a árvore
Premeditação carismática suicida,
E o insuportável cansaço que lhe estigmatiza a alma.

A chave oculta materializa-se no tecido do cosmos,
A tenebrosa noite fantasmal cobre a luz que a cegava.

Amanhece por fim para a secreta realidade.
Terminou aquela amarga eternidade de uma fracção de segundo.
Desvanece para o nascimento,
Cria com o seu desaparecer.
Track Name: Antares
Em ti me revejo no infinito rio negro.
Guias a minha presença por cúpulas celestiais.
Viajo somente com os sentidos,
Deslumbro a tua beleza
Tu que já transmigraste.

Que adquiriste o conhecimento supremo
Tua pura alma que olha pelo teu corpo
Cintilante reflexo de todo o ser
Sobre o teu trono flutuante

No majestoso peito do escorpião
Guardiã astral
Anciã dos céus nocturnos.

A estrela escarlate cintila em escorpião
Feiticeira ancestral.
Protetora do plano astral

O ego - alfa de escorpião.
A mãe primordial,
Vigilante do universo espiritual.
Antares!
Track Name: Amanhece a Era da Grande Unificação
O sonho devoluto nas profundezas ancestrais
Revelam a Era da transformação dos sombrios mundos.
Nos imprevisíveis cantos do desconhecimento
Em revolta sobre os constantes segredos da forma e contraste.

Partiram sobre dor e exaustão as consciências
Que nelas se misturaram as viagens hipersensíveis
Numa natureza em criação, evolução e revelação.
Em devaneio das trevas que se dissolvem
Corroídas de tremor e solidão.

Amanhece nas planícies imaginárias, o criador.
Nas brumas de um espaço sem nome,
Regem as luzes encadeares com exatidão.
Um perdido vasculha sobre a sua sombra

Em espera da resposta ao significado
Entre laços e odores vindos do infinito interior.

A Era da grande unificação rege a criação do criador
Que envolverá a supremacia das forças dos diversos mundos.
Destruirá a sua conduta existencial.

O obscuro apodera-se das crenças, virtudes e defeitos
Numa inexistência persistente e extravasada

Num devorar desses corpos lançados para os padrões sem fim
Que o conservará eternamente nas masmorras em conflito.

Era de uma unificação, Era de uma queda prescrita.